• (64) 3621-4336
  • dept_atendimento@sethoresg.com.br

Guaidó diz que seu chefe de gabinete foi detido

21-03-2019

Informação não está confirmada. Na semana passada, Ministério Público anunciou que começou a investigar Guaidó por sua suposta 'responsabilidade' em apagão que atingiu a Venezuela.

 

Juan Guaid√ɬ≥ fala com funcion√ɬ°rios p√ɬļblicos em Caracas nesta ter√ɬßa (5) √ʬĬĒ Foto: Iv√ɬ°n Alvarado/Reuters

O autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, denunciou que seu chefe de gabinete foi detido na madrugada desta quinta-feira (21) pelo serviço de inteligência venezuelano

A informação não tem confirmação oficial, mas Vergara, que é deputado da Assembleia Nacional por San Cristóbal, disse ter presenciado o momento em que Roberto Marrero foi levado de sua casa em Caracas.

Segundo ele, Marrero declarou ao deixar a residência que "dois fuzis e uma granada foram plantados em sua casa". O seu paradeiro é desconhecido.

Por volta das 2h (3h de Brasília), 15 agentes encapuzaram do Serviço Nacional de Inteligência Bolivariano (Sebin) chegaram à casa de Sergio Vergara.

O deputado contou que os agentes o imobilizaram, deixando-o com o rosto no chão. Eles perguntavam se ele estava sozinho e se sabia onde Marrero, que é seu vizinho, morava.

O deputado disse ter afirmado várias vezes que eles estavam “violando um direito constitucional, como é o da imunidade parlamentar e que de nenhuma maneira teria por que obedecer a ordens inconstitucionais”. Eles o mantiveram em casa por cerca de duas horas. Após ser liberado, ele presenciou o momento em que Marrero foi levado pelos agentes.

Juan Guaidó✔@jguaido

Pueblo de Venezuela y Comunidad Internacional:
Desde las 2:24 am funcionarios del SEBIN asedian las casas del Diputado y jefe de fracción de VP Sergio Vergara y el Jefe de mi Despacho, abogado Roberto Marrero.
En estos momentos los mantienen secuestrados en el sitio.

10.2K

6:21 AM - Mar 21, 2019

Twitter Ads info and privacy

16.7K people are talking about this

 

Na semana passada, o Ministério Público venezuelano anunciou ter começado a investigar Guaidó por sua suposta "responsabilidade" no apagão que deixou a Venezuela semiparalisada por vários dias no início do mês. A pane provocou o cancelamento de voos, suspensão de aulas nas escolas, saques e prejudicou ainda mais o atendimento nos hospitais.

A companhia de energia estatal, Corpoelec, denunciou uma sabotagem da central hidrelétrica venezuelana de Guri, a mais importante do país e uma das principais da América Latina. O governo alega que os Estados Unidos, que apoiam Guaidó, teriam ligação com o incidente.

Quando Guaidó deixou a Venezuela em fevereiro, o presidente Nicolás Maduro afirmou que ele teria que “prestar contas com a justiça”. Guaidó atravessou a fronteira e foi à Colômbia para acompanhar uma tentativa de entrega de ajuda humanitária aos venezuelanos, desrespeitando uma determinação do Tribunal Supremo da Venezuela. O tribunal, que é favorável a Maduro, tinha proibido Guaidó de sair do país e congelado suas contas.

Depois da Colômbia, Guaidó ainda visitou o Brasil, além de outros países latino-americanos, antes voltar a Caracas. Na volta, liderou um protesto contra o governo e, desde então, a comunidade internacional acompanha com atenção o desenrolar da crise política que atinge o país.

À BBC, em tom desafiador, Guaidó declarou que nenhum organismo de segurança controlado por Maduro “ousou” prendê-lo.